quinta-feira, 10 de março de 2011

A carpintaria


De onde lhe vêm estas coisas?... Não é este o carpinteiro? Marcos 6.2-3

A palavra carpinteiro aparece apenas duas vezes nos Evangelhos; uma delas, chamando Jesus de “carpinteiro”, e outra, se referindo a ele como “o filho do carpinteiro”. A partir disso, deduzimos que José havia trabalhado como carpinteiro, que Jesus havia sido seu aprendiz, e que assumiu a carpintaria após a morte de José.

Embora a palavra tektõn pudesse ser usada para qualquer artesão ou oficial, ela normalmente está relacionada a alguém que trabalha com madeira. Assim, Jesus sem dúvida deve ter feito ou consertado móveis e utensílios agrícolas. J. E. Millais, o pintor pré-rafaelita de meados do século 19, pode ajudar-nos a visualizar o interior da carpintaria em seu quadro com esse título. O menino Jesus está no centro da cena.
Aparentemente, ele se machucou com um prego. José se inclina para examinar o ferimento, enquanto Maria busca consolá-lo com um beijo e o jovem João Batista está carregando uma tigela de água para lavar o machucado. Jesus se encontra inclinado sobre o balcão, que parece simbolizar o altar do sacrifício.

Alguns líderes cristãos do início do movimento trabalhista britânico se inspiraram em Jesus, pois ele dignificou o trabalho braçal. James Stalker, em seu livro A Vida de Cristo (1879), escreveu:

Seria difícil esgotar a importância do fato de que Deus escolheu para seu Filho, quando este habitou entre os homens, dentre todas as posições possíveis em que poderia tê-lo colocado, a de um operário. Ele imprimiu às labutas comuns dos homens uma honra eterna.

Leitura recomendada: Atos 20.33-35

Retirado de A Bíblia Toda o Ano Todo (Ultimato, 2007)

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe um comentário

 
Pesquisa personalizada