terça-feira, 30 de novembro de 2010

"Seus bobinhos! Seus bobinhos! " Quem vai na onda da Ana Paula Valadão?


As praias são minhas, diz o Senhor!


Olá queridos,

Estamos nos aproximando do primeiro Cruzeiro marítimo com o Diante do Trono, que acontecerá de 2 a 5 de Dezembro deste ano de 2010. Confesso que meu coração tinha paz, mas várias vezes perguntava ao Senhor sobre o propósito desta experiência tão nova e diferente de tudo o que já vivemos até hoje.

Eu nunca sequer desejei viajar de navio. Na verdade, eu dizia que nunca faria isso! Mas quando a proposta surgiu, orei e senti que era um propósito de Deus. Muitas das minhas questões vinham de acusações e questionamentos de outras pessoas que me perguntavam a razão de fazer uma iniciativa ministerial que não alcançava os pobres, e que limitava-se a pessoas que pudessem pagar uma quantia razoável para embarcar no navio. Apesar de eu crer e estar vendo Deus provendo miraculosamente para pessoas que jamais imaginavam viajar em um navio, a resposta a essas inquietações veio no próprio testemunho de Jesus. Ele estava com o pobre, mas também com o rico. Ele entrou na casa de Zaqueu, que era rico. De Simão, outro rico. E mulheres ricas O seguiam e sustentavam seu ministério, de acordo com Lucas 8:3. Jesus se importava com o ser humano, não olhando para sua condição financeira. Mas nós, Igreja, muitas vezes pensamos que os ricos não precisam de ser alcançados por nossas estratégias evangelísticas. Os ricos se tornam, às vezes, um grupo não alcançado pela Igreja.

Mas o principal motivo pelo qual escrevo é para compartilhar o que o Senhor ministrou ao meu coração em um momento muito marcante ali na Finlândia, acerca do Cruzeiro. Estávamos em um culto maravilhoso e a gloriosa Presença do Senhor enchia o lugar e as nossas vidas! Quando terminei a minha parte e o Pastor Markku começou a orar eu senti o impulso de interceder, junto com o Sérgio, por todos os projetos e desafios, e sonhos ministeriais que temos à nossa frente. Era uma atmosfera propícia para apresentarmos nosso clamor, pois o poder de Deus parecia palpável!

Quando comecei a orar pelo Cruzeiro ouvi o Senhor claramente nos dizer: “Seus bobinhos! Seus bobinhos! Unjam os mares! As praias são minhas! As praias são minhas!”. Sua voz era tão poderosa, como um trovão dentro de mim, e eu temi e tremi. De repente, minha visão se abriu e o Senhor, carinhosamente, me dizia que levava muito tempo para percebermos Seus propósitos! Mas, naquele lugar distante, fora da nossa rotina, estávamos mais sensíveis e abertos para Sua glória, e então Ele pôde me falar. O Senhor começou a descrever para mim uma nova missão, e é isso que compartilho com vocês.

Há anos tenho recebido um entendimento progressivo da minha missão. Comecei na Igreja local, e depois compreendi que devia sair das paredes dos templos e reunir Seu povo para adorar em locais públicos. Os estádios se tornaram locais de adoração a Jesus. Mas eu não tinha entendido ainda o que me veio ao coração anos depois. O Senhor j á estava fazendo, e queria que perseguíssemos os locais de festa da nossa nação, para ali, prestarmos a Ele culto e declararmos que só Ele é digno. Temos feito isso. Fui chamada para entronizar o Senhor no Brasil e nas nações através de uma adoração profética. Uma adoração que une a música que declara que o Senhor reina, que rasga os céus com esta poderosa proclamação, a uma intercessão e clamores, guiados pelo Espírito, em arrependimento e em profecia. Profetizamos o que o Senhor está dizendo, e temos visto frutos de anos e anos desse ministério que Ele mesmo nos confiou.

Naquela atmosfera de glória, da forte Presença do Senhor, mais um passo me foi revelado. Eu nos vi ungindo os mares do Brasil e descendo em todas as praias possíveis, por todo o litoral brasileiro, adorando ao Senhor. Eu jamais havia sequer imaginado isso, mas a voz dEle gritava com zelo: “As praias são minhas! As praias são minhas!”. De repente vi as festas que acontecem nas praias do Brasil. Percebi o ciúme que Deus tem destes portais de entrada do continente, da nação. Desde a antiguidade as praias são um lugar de consagração da terra e da vidas das pessoas. Ali, fincavam-se as bandeiras, as estacas, e se realizavam os primeiros cultos. Até hoje, vidas se entregam a entidades dos mares, com ou sem entendimento, mas pactos são renovados a cada virada de ano, e em ocasiões especiais. Buquês de noivas são jogados no mar. Muitas delas entram com seus vestidos no mar. Pessoas se rendem a superstições, pulando ondas, e festivais musicais acontecem em muitas praias do Brasil. As praias são um lugar de festa, de culto, e eu nunca havia percebido isso.

Esse será o primeiro de muitos Cruzeiros que o Diante do Trono fará. Dentro do navio, durante o dia, haverá louvor e descontração. Tudo feito para a glória de Deus, seja comer, beber, ou qualquer outra coisa que fizermos, como nos instrui a Palavra. Mas, ao descer nas praias, cada participante terá o entendimento de orar, de cantar louvores, de declararmos e consagrarmos as praias ao Senhor. No próximo ano, planejamos até mesmo fazer eventos de adoração em cada praia em que atracarmos. E à noite, dentro do navio, teremos culto, pregação da Palavra, e o momento especial em que, unidos, ungiremos os mares por onde o navio estiver passando. A unção com óleo, nas Escrituras, sempre foi usada para consagrar, dedicar ao Senhor, santificar para Ele objetos que serviriam para Seu culto, pessoas separadas para servi-lo, como os sacerdotes, levitas. A Bíblia até mesmo nos instrui a ungir os doentes para que sejam curados. Com esse entendimento, ungiremos os mares e as praias do Brasil.

Compartilhando isso, sei que me exponho a críticas e a um mal entendimento do que move o meu coração. Porém, acredito que muito mais serão os que terão o entendimento aberto para se unirem a nós nessa missão, e creio também que pessoas que se dedicam à oração, adoradores, poderão começar a planejar e crer para participarem conosco de mais um passo na redenção do país.

É com temor e tremor que termino, pedindo que orem por mim e por nossa equipe, relembrando o zelo e o poder com que ouvi: “As praias são minhas! As praias são minhas! Diz o Senhor”.

Fonte: Blog da Ana Paula Valadão!

9 comentários:

lanynha disse...

ai daquele que meche com o ungido do Senhoor! anuncie as boas novas de Deus querido e não atente para a aparencia nem os projetos dos seus irmãos em Cristo, cada um tem uma forme de trabalhar, cada um com a sua, e se vc tivesse condições financeiras eu sei que não deixaria passar essa oportunidade! a paz de Deus!

Avelar Jr. disse...

Lanynha com Y,

Mexe é com X.

Frase se inicia com letra maiúscula.

Você está se contradizendo, pois se não pode "mexer" com "ungidos" entendendo-se por isso "criticar" ou "julgar" (isso nem está na Bíblia! Muito pelo contrário: Gl 1.8-9), você está condenada por suas próprias palavras.

Cada um com a sua, você teria ficado calada.

Quem lhe nomeou vidente ou cartomante de intenções e da vida financeira alheia?

_______________________ Abra a Bíblia e leia:

Jo 7:24 - Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça.

I Co 2:15 - Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido.

I Co 5:12-13 - Porque que tenho eu em julgar também os que estão de fora? Não julgais vós os que estão dentro? Mas Deus julga os que estão de fora. Tirai, pois, dentre vós a esse iníquo.

I Co 6:2-3 - Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois, porventura, indignos de julgar as coisas mínimas? Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida

_______________________

Aproveite e estude um pouquinho de português. ok? Pode ajudar na sua vida financeira e espiritual.

dalton.curvello disse...

Avelar Jr.,
Parabéns pelas colocações! A postagem é perfeita e genuinamente cristã, cumprindo o propósito do blog e o chamado de Deus para alertar seu povo.
Já não aguento mais ouvir alguns irmãozinhos cegos repetir como papagaios a tal da conversa de "ungido do Senhor". Ora, ungidos do Senhor, nós que exercemos o ministério de exortação contra esses abusos também somos, e aí?
Graça e PAZ!

Avelar Jr. disse...

É que pessoas como a acima vivem na prática, consciente ou não, de um pecado muito habitual: acepção de pessoas.

- Deus não o faz e condena quem o faz. (versos no final)

Pois, quem somos nós, perdidos pecadores, resgatados pela graça, salvos pela morte de Cristo na cruz, para colocar alguns podres pecadores da nossa preferência corrupta como melhores que os outros, num patamar acima da humanidade, ou como os "ungidos de Deus", ao passo que excluímos da graça de Deus aqueles de quem não gostamos e por quem Jesus também morreu?

Isso é um absurdo! Quando às vezes não se trata de encoberto culto à personalidade.

"Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas." Romanos 2:11

"Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, e sois redargüidos pela lei como transgressores." Tiago 2:9

Jéssica disse...

Olá Avelar Jr.!

Reconheço que muitas situações são de embrulhar o estômago, mas isso não nos dá o direito de empurrar o evangelho(puro) guela abaixo... nem, tampouco, de nos respaldarmos no conhecimento humano para desmoralizar e, até mesmo, ridicularizar o próximo. Tenho plena convicção que o Senhor Jesus não faria isso.

Bom, de acordo com os padrões humanos, é de extrema importância estudar( adquirir conhecimento e não "notas" que , possivelmente, comprovem tal fato), se especializar( fazer um mestrado, um doutorado, um pós doutorado,..., entre outras qualificações). Não existe nada de impuro nisso. Mas, eu tenho plena convicção( baseada na Palavra!) que para o Senhor tudo isso é irrelevante. Na própria Palavra somos advertidos quanto ao engano que é sermos sábios de acordo com os padrões humanos. Se assim não fosse, estariamos perdidos! O Reino de Deus se resumiria a um antro de pessoas bostéticas que se intitulam sábias e superirores ao restante da humanidade( como vemos com frequência na Academia).

Se Senhor fosse se irritar e, até mesmo, expor todo o seu conhecimento sobre tudo o que Ele detém/ domina ( linguistico, por exemplo), o que seria de nós?!

Continue a buscar ao Senhor! Ah, inclusive estratégias para falar do Seu amor; sem que constranja o outro. Senti por Lanynha, e achei você muito "equivocado" (reconheço que queria utilizar outro termo - um pouco pejorativo - mas a Palavra nos orienta: irai-vos, mas não pequeis).

Sem falar que, certamente, ela não irá crescer espiritualmente estudando; mas sim, corre o risco de ficar parecida contigo!!!!!!!

Deus te abençoe!!!
Em nome de Jesus.
Amém?!

Obs.: corrige meu texto?! É porque eu gosto de aprender, e é tão bom quando alguém que tem mais conhecimento se dispõe a ajudar! Isso também é amar o próximo!!!!

Avelar Jr. disse...

Jéssica,

De certa forma, você tem razão e eu acato o que você me disse. Sério mesmo.

Acredite, eu venho ouvindo este tipo de preconceito há mais de cinco anos (refiro-me ao que primeiro respondi e coisas assemelhadas, não a seu comentário) e me entristeço muito.

Entretanto, nem sempre acredito que uma resposta branda seja SEMPRE merecida, sabe por quê? Porque na MAIOR PARTE das vezes eu faço exatamente o que você me disse, mas, pelo contrário, a situação apenas piora.

Acredito que quem tem boa intenção é capaz de reconhecer seus erros com qualquer tipo de resposta, leve ou incisiva. Normalmente eu tento a leve, mas quando a pessoa já demonstra não estar querendo ouvir, creio que ela deve receber a resposta que merece, exatamente como você fez comigo - não tiro sua razão.

Não estou me estribando e nem exarcerbando o conhecimento humano, tampouco estou querendo ser melhor ou passar por cima de ninguém.

Acredito que buscar conhecimento é bom e útil, mas conhecimento não salva, como ignorância também não premia, mas, se cultivada, envergonha.

Muitas pessoas não têm razão alguma para reclamar ou para confrontar, mas quando biblicamente refutadas com amor, voltam-se para você com ira e ofensas - isso é praxe.

Normalmente - desculpe essa opinião, infelizmente ela é fruto de constatação reiterada - são as pessoas que escrevem mais errado que fazem isso. Não sei se porque não dão valor a ler e ouvir com atenção, se por selecionar apenas o que querem ouvir...

Eu acredito, sinceramente, que se ela fosse ficar parecida comigo ela teria mesmo é seguido meu conselho e ficado calada, como na maioria das vezes eu fico.

Quando eu não entendia nada, mas nada mesmo de Bíblia (eu nunca a havia lido nessa época), eu não discutia com ninguém, não respondia nada, não ensinava nada, não refutava nada e ouvi muita chacota com minha fá - porque tinha a plena convicção de que é melhor não discutir se você não entende do assunto, por melhores que sejam suas intenções.

Agradeço de coração sua sinceridade. Sem mágoas. Um grande abraço. Fique na paz!

:)

Usa menos exclamações, tá? Uma só já dá o efeito. ;)

Jéssica disse...

Avelar Jr.,

bom dia!

Obrigado por ter me respondido. Me perdoe, em nome de Jesus, no momento em que afirmei que se ela fosse estudar ficaria parecida contigo. Fui preconceituosa e achei que você seria mais um arrogante da vida. Estava profundamente enganada.

O Senhor Jesus está muito feliz com o resultado desse fato. Houve, verdadeiramente, crescimento espiritual.

Que a graça e amor do Senhor Jesus estejam sobre a sua vida te capacitando e renovando dia após dia.

Ah, obrigado pelo toque. Não tinha percebido. Isso deve ter acontecido porque ao falar gesticulo muito, como estou escrevendo, exagerei na exclamação.

Avelar Jr. disse...

Problema, não, Jéssica.

Já estou meio acostumado... E já ouvi coisas muito piores. ;)

suerder disse...

Suerder rocha.
A paz do senhor a todos, essa é a primeira vez que vejo esse blog, indicado atravéz de um amigo, mais confesso que não estou surpreso com as materias e sim com as postagem dos leitores,
acho que nem todos que comentarão são evangelicos, pois a hipocrisia acompanha as palavras.

Postar um comentário

Deixe um comentário

 
Pesquisa personalizada