terça-feira, 20 de julho de 2010

A graça completa



Quem é comparável a ti, ó Deus, que perdoas o pecado e esqueces a transgressão? (Mq 7.18)

Não existe graça incompleta. Quando se trata da maravilhosa graça, a graça que desce do céu, a graça de Deus, ela é sempre cheia, sempre inteira, sempre completa.

É a descrição da graça completa que ocupa a última parte do livro de Miquéias. Daí o entusiasmo incontido do profeta: “Quem é comparável a ti, ó Deus, que perdoas o pecado e esqueces a transgressão do remanescente da sua herança?”

A graça completa perdoa, esquece, interrompe bruscamente a ira divina, tem prazer em mostrar amor, põe outra vez em movimento a compaixão, pisa as maldades cometidas e ainda atira todos os pecados nas profundezas do mar (Mq 7.18,19).

A graça de Deus é sem tamanho; seu volume aumenta o quanto for necessário. É por isso que se diz muito acertadamente: “Onde aumentou o pecado, transbordou a graça” (Rm 5.20). É essa capacidade de agigantar-se que explica a presença de Tamar, Raabe e Bate-Seba na genealogia de Jesus (Mt 1.1-6)!

Como posso retribuir ao Senhor a graça completa? Cumprirei os meus votos publicamente!

Retirado de Refeições Diárias com os Profetas Menores (Editora Ultimato, 2004).

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe um comentário

 
Pesquisa personalizada