sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Eu realmente quero a verdade?



O problema de lidar com coisas espirituais é que, inevitavelmente, quem procura acha. Quem busca ouvir mentiras, irá encontrar centenas delas. Quem busca a verdade, baterá de frente com ela.

Ao esbarrarmos na verdade, não dá mais pra continuar a vida do mesmo jeito. Juro que já tentei diversas vezes simplesmente ignorar os fatos. Mas não funciona assim. É preciso haver um posicionamento, seja para a vida, seja para a perdição. Por que diante das grandes questões da vida, distingue-se claramente quem são os homens e quem são apenas os meninos. Os homens confiam na força de seu braço e no quanto podem garantir segurança para si. Os meninos sonham livremente, sabendo que há mais do que esta realidade áspera. Possuem uma fé operante, pois não foram mutilados pelas certezas incertas que regem o mundo dos adultos. Pobres crianças… em breve ficarão cegas, até que Cristo abra novamente seus olhos.

O Reino de Deus não possui espaço para preguiçosos. Mas há muitas vagas para os angustiados. Se cada um que sofre por estar cansado dessa vida real tão falsa, tivesse ao menos coragem para buscar a verdade. Encontraria descanso para sua alma e força para desistir do que não vale a pena. Seria o primeiro da fila para oferecer sua vida em favor do pobre e do faminto. Feliz por que não há nada mais importante do que aqueles que sofrem.

Podemos e devemos ser a resposta das orações de muitas pessoas. Basta para isso renunciarmos a tudo.

De nada adianta ser sábio se o conhecimento não transforma a vida de ninguém. Não adianta ser hábil, se não tranformamos em prática aquilo que outros são incapazes de fazer. E não adianta ter todo dinheiro do mundo, se as melhores coisas da vida não podem ser compradas. A realidade é que quem tem dinheiro, nada faz. E quem nada tem, realiza feitos miraculosos. E aqueles que veem tais coisas, exclamam: “Aí está o poder de Deus!”.

O tempo não cura nenhuma ferida, mas revela a natureza da semente que cada um plantou. Haverá grande desgraça para quem prefere não enxergar a verdade. E grande alegria para quem se cansou do óbvio e ajustou sua visão a tempo.

Mas tudo ainda resume-se a uma simples pergunta: “Eu realmente quero a verdade?”.


1 comentários:

Avelar Jr. disse...

Belíssimo texto, e muito relevante reflexão.

Postar um comentário

Deixe um comentário

 
Pesquisa personalizada