domingo, 11 de outubro de 2009

O protetor que jamais se omite



Ele não permitirá que você tropece; o seu protetor se manterá alerta. (Sl 121.3.)

Pedras ao longo do caminho não faltam! É muito fácil tropeçar e cair. Tiago não esconde que “todos tropeçamos de muitas maneiras” (Tg 3.2). A possibilidade é tal que “ao meio-dia tropeçamos como se fosse noite” (Is 59.10). Ao mesmo tempo é importante não tropeçar. Segundo Jesus é melhor perder um dos olhos e uma das mãos que tropeçar e cair (Mt 5.29,30).

À vista de tudo isso, a mensagem do salmista é por demais alvissareiro: “[O Senhor] não permitirá que você tropece; o seu protetor se manterá alerta” (Sl 121.3). A tradução da Bíblia Hebraica é mais explícita: “Ele não permitirá que resvale o seu pé, pois jamais se omite”. O cântico de Ana já havia dito isso: “[Para não caírem] ele guardará os pés dos seus santos” (1 Sm 2.9).

Existe um consenso sobre essa proteção da parte do Senhor. O apego de qualquer pessoa à sabedoria, como atributo de Deus, dá a ela o privilégio de seguir o seu caminho com firmeza, livre de um eventual tropeção, “pois o Senhor será a sua segurança e o impedirá de cair em armadilha” (Pv 3.26). O Senhor é aquele que vigia a sua vinha, isto é, o seu povo, regando-a constantemente e protegendo-a dia e noite “para impedir que lhe façam dano” (Is 27.3).

Quem sabe Paulo tenha se inspirado no salmista para afirmar: “Deus é fiel [e] não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar” (1 Co 10.13).

É possível reunir e resumir todas essas promessas de proteção na advertência mor: “Eu sou a videira; vocês são os ramos. [Assim] sem mim vocês não podem fazer coisa alguma” (Jo 15.5).

Retirado de “Refeições Diárias com o Sabor dos Salmos” (Editora Ultimato, 2006).

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe um comentário

 
Pesquisa personalizada