quarta-feira, 14 de outubro de 2009

A igreja brasileira e o jogo do contente.



Às vezes tenho a impressão que parte da Igreja Evangélica Brasileira gosta de fazer o jogo do contente. Bom, antes de qualquer coisa deixe-me explicá-lo que jogo é esse, até porque, os que não leram Polyana, talvez não saibam explicar o real significado disso. O jogo do contente é uma filosofia de vida "bem alto astral", criada pela tal Polyana, e é muito simples: você deve ficar contente com tudo o que acontece, porque tudo sempre poderia ter sido pior.

Pois é, essa é exatamente a brincadeira preferida da igreja brasileira. Isto porque, as heresias se multiplicam a olhos vistos e o povo de Deus finge que nada está acontecendo ao seu redor. Para estes, a melhor coisa a ser feita, é ocultar a realidade, disfarçando o caos teológico, anunciando a existência de um pseudo-avivamento, onde risos, decretos e unções se fazem presentes.

Infelizmente tais pessoas optaram por viver num mundo da fantasia, preferindo a escravidão a libertar-se da “matrix”. Para estes o simples fato de alguém denunciar as heresias e distorções teológicas lhes proporcionam uma enorme insatisfação, até porque, as acusas possuem o poder de destruir os seus lindos e maravilhosos castelos de areia.

Caro leitor, sinceramente na atual circunstância não nos é possível brincarmos de Polyana. Vivemos dias nevrálgicos onde as heresias neo-pentecostais se multiplicam assustadoramente, levando uma enorme multidão a experiência de um evangelho absolutamente antagônico ao Evangelho do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Isto posto, somos chamados em nome do amor cristão a denunciarmos os conceitos espúrios e fraudulentos propagados e anunciados pelos falsos profetas da teologia da prosperidade.

Fonte: Renato Vargens



0 comentários:

Postar um comentário

Deixe um comentário

 
Pesquisa personalizada