terça-feira, 29 de setembro de 2009

A excelência das coisas ordinárias


Desgraçadamente abençoados por Deus. Assim é boa parte das pessoas que insistem em perder seu tempo na vivência hipócrita de um evangelho que não tem nada de bom e nem de novo. As bênçãos, tão valorizadas, não têm nada a ver com a transformação do indivíduo. Servem apenas para amenizar os sofrimentos do caminho da perdição.

Por que bares e boates possuem portas estreitas, onde as pessoas ordenamente se afileiram e aguardam ansiosamente sua vez de entrar… e enquanto isso, criamos portais imensos nas entradas das igrejas, sendo quase necessário insistir para que bêbados e transeuntes desavisados entrem para que o “culto” não pareça vazio.

Em nossa busca pelo extraordinário, desprezamos o valor das coisas ordinárias da vida. E particularmente me sinto um apreciador das coisas ordinárias em que posso sentir o poder da vida e da salvação mediante a graça de Cristo. Por exemplo, um bar nada possui de realmente atraente e que possa mudar a vida de alguém. Mas ainda sim as pessoas enxergam momentos de redenção neste local “sagrado”. Em cada gole, uma reflexão. Até que as pessoas estejam anestesiadas de suas capacidades de refletir. Mas o primeiro gole não pode ser condenado pelo exagero do segundo.

Já nas igrejas, nada há de interessante. Em nossa busca incessante pelo que foge ao ordinário, criamos estruturas especializadas em criar momentos desinteressantes. Perdemos o privilégio da simplicidade. Nos esquecemos do que significa estar juntos sem um motivo. Obviamente o poder de Deus continua a operar milagres, mesmo em meio a todo este tédio. Talvez seja a maneira dEle dizer “vou mostrar quem ainda manda”.

Consegue imaginar uma igreja onde a porta seja estreita e haja um segurança enorme organizando a fila? Então, faltando 5 minutos para começar o culto, ele fecha a porta e informa que o local atingiu a lotação máxima. E que na próxima semana, os interessados em participar devem chegar com mais antecedência.

Será que estou sonhando? Ou será que coisas simples e ordinárias podem realmente revelar o quanto somos (ou deveríamos ser) relevantes?


4 comentários:

Luiz Clédio Monteiro disse...

Ola Ariovaldo, vejo que nosso Deus te chamou para criticar as besteiras que seu povo tem feito. quem nem Jeremias.
se prepare, v nao sera nunca uma pessoa pupular, portanto se esconda das pedras.

estou seguindo seu blog pois acho certo sua atitude, alguem tem que ajudar os irmao nos assuntos polemicos.

faça uma visita ao meu, e siga-me tambem.

ps - Assim tudo a Cristo v está entregando.

Anônimo disse...

A melhor forma de aguardar a vinda de Cristo com certeza não é ficar sendo um vinculo terceirizado de tropeço para os outros. Essas críticas, todas elas, de onde provém? O senhor no mínimo nao deve fazer mais nada na vida além de "desmascarar" os falsos crentes. Agora uma pergunta: Em que parte desse blog esta a edificação, por que faz tempo que procuro. Será que o senhor pode me ajudar?

Deus abençoe e mude o que tanto parece lhe mover!

João Paulo Fernandes disse...

Caro anônimo...

Diz o velho ditado " o pior cego é aquele que não quer ler". Agora eu não posso postar é o que vc quer ouvir né? Aí é outra história. Depois de tanto tempo muitos ainda não entenderam o propósito do blog. Apareça sempre, e não precisa postar anonimamente, não existe mais fogueira, o tempo da inquisição já passou.

Anônimo disse...

Então continue postanto o que para o senhor é interessante... essa desculpa de que "as pessoas nao entendem" é só mais um pretexto vil para esse banho de banalidades.
É nisso que sua fé se baseia? Em mostrar o que os outros fazem de errado para assim ganhar um pouco de alivio inconsciente?
De fato a inquisição passou, mas a fogueira ainda permanece acesa na cabeça de algumas pessoas...

Ah... só mais uma coisa. Sabe aquela passagem "maldito aquele por que o tropeço vem"? Acho que ela não se refere só a quem pratica mas também aos responsáveis por divulga-la!

Boas inspírações!!!

Postar um comentário

Deixe um comentário

 
Pesquisa personalizada