domingo, 5 de julho de 2009

Michael Jackson e a saga humana



O som de Michael nunca fez minha cabeça, embora reconheça nele um extraordinário talento, uma incrível criatividade e uma enorme sensibilidade.

No entanto, sua trajetória como artista e como homem tem muito a me dizer. E fala (chega até mesmo a gritar) sobre o que temos de mais humano: nossa capacidade de transcender a nós mesmos através de nossas realizações, de nossa inventividade, de nossa arte, e assim eternizarmos nossa obra. Já dizia Sêneca: “Longa é a arte, breve é a vida”.

Sua senda também me ensina sobre nossa vocação, como seres humanos, para apresentarmos no palco da vida um espetáculo inusitado e surpreendente, repleto ora de elementos de glória sublime, ora de tragédia pungente.

E isso é comum a todos nós. Todos tivemos, temos ou teremos momentos singulares de realização, de contentamento, de vitória. E também já vivemos ou viveremos tempos de dor, de luto, de vergonha, de desterro.

Esse é o caminho dos que são a coroa desta criação. Esse foi o caminho descrito no livro sagrado que o Cristo de Deus percorreu.

Da eternidade em harmonia triúna ele se esvazia tomando a forma de escravo, vivendo entre os homens, morrendo entre ladrões. E é então exaltado, recebendo o nome que está acima de todo nome.

Poderia ocupar o espaço falando dos escândalos, das dívidas, do isolamento, das deformações físicas e psicológicas que sempre ocuparam o cotidiano do ser humano Michael.

Prefiro, no entanto, refletir sobre minhas próprias imperfeições, distorções, incoerências e enfermidades que, aliás, todos temos em diferentes formas e momentos.

E nisso tudo, “don’t matter if you’re black or white!”

Jorge Camargo, mestre em ciências da religião, é intérprete, compositor, músico, poeta e tradutor. www.jorgecamargo.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe um comentário

 
Pesquisa personalizada