sábado, 4 de julho de 2009

Comissão de Combate à Intolerância Religiosa afirma que igrejas neopentecostais promovem uma “ditadura religiosa” no Brasil



Igrejas neopentecostais promovem uma “ditadura religiosa” no Brasil, acusa documento da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa. O texto foi entregue, na sexta-feira, ao presidente do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas, Martin Uhomoibai, em visita a Brasília.


O documento acusa a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) e seu “discurso xenófobo, racista e de exploração da população carente”, colocando em risco a liberdade religiosa no país.

A IURD, aponta a Comissão, serviu de modelo a outras igrejas, dentre elas a Renascer em Cristo, na perseguição a praticantes da religiosidade afro-brasileira. A comissão acompanha 34 ações judiciais e outros 12 registros de ocorrência em delegacias do Rio de Janeiro.

O relatório, informa a repórter Claudia Lamego, do jornal O Globo, cita o “braço armado” da intolerância religiosa no Rio: “Traficantes e milicianos proíbem manifestações religiosas em templos de umbanda e candomblé nas comunidades dominadas, e ainda expulsam sacerdotes e adeptos, sendo incondicionalmente apoiados, e na grande maioria das vezes incitados, por pastores neopentecostais, líderes religiosos deste ‘rebanho de armas’”.

A Comissão, criada há um ano, é integrada por representantes de 18 instituições, dentre elas a Federação Israelita do Rio, a Sociedade Beneficente Muçulmana, a Congregação Espírita Umbandista do Brasil, a Polícia Civil, o Ministério Público e o Tribunal de Justiça do Rio.

Fonte: ALC / Gospel+

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe um comentário

 
Pesquisa personalizada